Imagem de destaque para artigo sobre doenças da cana-de-açúcar no Blog AgriQ. Descrição da imagem: folha de cana-de-açúcar com sintomas da doença ferrugem-alaranjada. (Créditos: Shutterstock)

Doenças da cana-de-açúcar: conheça as principais

Doenças da cana-de-açúcar: conheça as principais

As doenças da cana-de-açúcar são responsáveis pela queda na produtividade e baixo desempenho na lavoura.

De acordo com a Embrapa, no Brasil já foram encontradas cerca de 58 doenças presentes nas lavouras, sendo que, desse total, pelo menos dez podem ser consideradas de grande importância econômica para a cultura.

Neste artigo vamos apresentar as principais doenças da cana-de-açúcar, relatar seus sintomas e mostrar as melhores práticas de controle.

Acompanhe a seguir!

Quais são as principais doenças da cana-de-açúcar?

Existem várias doenças que podem afetar a cultura de cana-de-açúcar. Entre as principais estão:

  • Escaldadura das folhas (Xanthomonas albilineans);
  • Raquitismo da soqueira (Leifsonia xyli subsp. Xyli);
  • Ferrugem marrom (Puccinia melanocephala);
  • Ferrugem alaranjada (Pulccinia kuehnii);
  • Estrias vermelhas (Acidovarax avenae subsp. Avenae);
  • Podridão Abacaxi (Thielaviopsis paradoxa);
  • Amarelinho (Sugarcane yellow leaf virus – ScYLV);
  • Mancha de Curvulária (Curvularia inaequalis);
  • Mancha Parda (Cercospora longipes);
  • Mancha Anelar (Leptosphaeria sacchari);
  • Podridão Vermelha (Colletotricum falcatum);
  • Pokkah Boeng (Fusarium moniliforme).

Vamos ver mais sobre cada uma delas abaixo.

Escaldura das folhas (Xanthomonas albilineans)

Sintomas de escaldura de folhas na cana-de-açúcar (Créditos: J.H. Daugrois | Research Gate)
Sintomas de escaldura de folhas na cana-de-açúcar (Créditos: J.H. Daugrois | Research Gate)

A escaldura das folhas é uma doença causada por uma bactéria. Em geral, pode-se observar sua ocorrência por meio de três sintomas básicos:

  1. Latência: não são observados sintomas externos. Porém, na parte interna das plantas, em colmos maduros, é possível notar uma alteração na coloração dos vasos, que se assemelha ao que acontece em plantas com raquitismo.
  2. Sintoma crônico: é o sistema clássico de escaldadura, que é caracterizado por estrias brancas longitudinais, com largura variável, que se estende por todo o limbo foliar, podendo se deslocar pela bainha. É possível notá-las no início da brotação das gemas basais em colmos maduros.
  3. Sintoma agudo: aparece em condições extremamente favoráveis à doença e em variedades suscetíveis. Em geral, apresenta-se na queima das folhas, na intensa brotação lateral iniciando na base e na ocorrência de canas mortas. A disseminação da bactéria acontece por meio de mudas contaminadas, instrumentos de corte e permanência de remanescentes de cultivos anteriores.

Na prática, alguns métodos possíveis para controlar a doença são:

  • Prática do “roguing”;
  • Uso de variedades resistentes ou tolerantes;
  • Desinfecção de instrumentos de corte;
  • Emprego de mudas sadias.

Banner-Blog-AgriQ-Receituario-Agronomico-Teste-Gratis

Raquitismo da Soqueira (Leifsonia xyli subsp. xyli)

Essa doença da cana-de-açúcar é causada por uma bactéria e não apresenta sintomas específicos. Sendo assim, não pode ser identificada visualmente.

No entanto, as plantas afetadas pelo raquitismo da soqueira podem manifestar redução de crescimento evidenciado ao longo das soqueiras. Além disso, pontuações vermelhas podem ser observadas, eventualmente, na região do nó.

Vale destacar que a disseminação da bactéria causadora da doença ocorre por meio de mudas contaminadas, instrumentos de corte e permanência de remanescentes de cultivos anteriores.

No mais, essa doença pode ser controlada por meio de práticas importantes como:

  • Uso de variedades resistentes ou tolerantes;
  • Desinfecção de instrumentos de corte;
  • Emprego de mudas sadias;
  • Tratamento térmico.

Ferrugem Marrom (Puccinia melanocephala)

Folhas de cana-de-açúcar com pústulas causadas pelo fungo Puccinia melanocephala, que causa a ferrugem marrom na planta (Créditos: I.B. Prasher | Research Gate)
Folhas de cana-de-açúcar com pústulas causadas pelo fungo Puccinia melanocephala, que causa a ferrugem marrom na planta (Créditos: I.B. Prasher | Research Gate)

A ferrugem marrom é uma doença causada por um fungo. Nesse sentido, assim que a planta é infeccionada, é possível observar os “flecks” (as manchas) nas duas superfícies foliares.

Assim, durante o processo de evolução da doença, os “flecks” formam pústulas perceptíveis apenas na porção abaxial (parte inferior) das folhas. Como consequência, a planta tem seu desenvolvimento afetado.

Na prática, doenças como a ferrugem invariavelmente atacam todas as plantas de uma variedade suscetível. Nesse cenário, não recomenda-se a sua eliminação, pois ao eliminar as plantas doentes, elimina-se também todas as touceiras do viveiro.

Sendo assim, para controlar o ataque do fungo e a ocorrência da doença, o indicado é utilizar variedades de cultivos resistentes e tolerantes e aplicar fungicidas nas variedades suscetíveis.

Ferrugem Alaranjada (Pulccinia kuehnii)

Sintomas de ferrugem alaranjada da cana-de-açúcar (Créditos: Revista Cultivar)
Sintomas de ferrugem alaranjada da cana-de-açúcar (Créditos: Revista Cultivar)

A princípio, assim como a ferrugem marrom, a ferrugem alaranjada é uma doença causada por um fungo, sendo que no início da infecção é possível observar a presença de “flecks” nas duas superfícies foliares.

A partir da evolução dos “flecks”, formam-se pústulas, visíveis somente na porção abaxial das folhas. Além disso, é muito comum perceber a junção de pústulas e a necrose de tecido foliar, principalmente, nas pontas e nas bordas das folhas velhas.

Ademais, também é possível notar, com frequência, o aparecimento de pústulas agrupadas próximo à bainha das folhas. Como resultado, o ataque do fundo provoca o subdesenvolvimento das plantas e a transmissão dos esporos do fungo ocorre por meio do vento e da água.

Como método de controle, é recomendado adotar o uso de variedades resistentes ou tolerantes e aplicar fungicidas nas variedades suscetíveis.

Estrias Vermelhas (Acidovorax avenae subsp. Avenae)

Estrias vermelhas nas folhas da cana-de-açúcar (Créditos: British Society for Plant Pathology)
Estrias vermelhas nas folhas da cana-de-açúcar (Créditos: British Society for Plant Pathology)

Provocada por uma bactéria, essa doença causa dois tipos de sintomas simultaneamente: estrias vermelhas e a podridão de topo.

Nesse caso, as estrias são sempre paralelas à nervura central e podem atingir a bainha foliar, enquanto a podridão de topo pode surgir em decorrência da infecção das folhas ou a partir da infecção do colmo/gemas.

Normalmente, esse sintoma da podridão causa um odor forte e desagradável que pode ser sentido nas proximidades do canavial.

Em geral, a bactéria presente nas plantas doentes é carregada pelo vento e pelas águas da chuva e depositada em outras plantas. Assim, é muito comum a ocorrência dessa doença em locais com umidade elevada e presença de solos férteis.

Para evitar a doença, o ideal é utilizar variedades resistentes e tolerantes da cana-de-açúcar à doença.

Podridão Abacaxi (Thielaviopsis paradoxa)

A podridão abacaxi ataca os toletes (colmos inteiros) da cana-de-açúcar (Créditos: Revista Cultivar)
A podridão abacaxi ataca os toletes (colmos inteiros) da cana-de-açúcar (Créditos: Revista Cultivar)

Essa doença é causada por um fungo e geralmente ocorre no período do inverno. Os sintomas mais comuns são as falhas de brotação, especialmente quando o plantio da cana-de-açúcar ocorre tardiamente no início do inverno.

Desse modo, quando são atacados, os toletes apresentam uma coloração amarelo-pardacento que evolui para a cor preta e um cheiro característico de abacaxi maduro.

A contaminação causada por esse fungo acontece por meio do solo, mudas contaminadas ou esporos levados pelo vento.

Entre as principais formas de controlar a doença estão:

  • Aplicação de fungicidas;
  • Manejo de época de plantio;
  • Uso de insumos que estimulam, de forma rápida, o desenvolvimento da cana em plantios de inverno.

Amarelinho (Sugarcane yellow leaf virus – ScYLV)

Folhas de cana-de-açúcar afetadas pela doença amarelinho (Créditos: Annelie Marquardt | Sugar Research Australia)
Folhas de cana-de-açúcar afetadas pela doença amarelinho (Créditos: Annelie Marquardt | Sugar Research Australia)

Amarelinho é uma das doenças da cana-de-açúcar que, como o próprio nome diz, causa o amarelecimento das folhas.

Um ponto curioso sobre a doença é que ainda não houve a definição de um agente causador específico do amarelinho. O que se sabe é que essa doença está associada a um fitoplasma.

No Brasil, em 1997, foi relatado o vírus ScYLV como o causador.

Em relação aos sintomas, é possível notar alterações nas folhas, que apresentam uma mudança na coloração em sua nervura central, caracterizada por uma tonalidade amarela intensa na parte inferior e arroxeada na parte superior.

Além disso, a doença também afeta o sistema radicular da planta, que fica reduzido e superficial, apresentando uma diminuição no teor de açúcar nos colmos e seu acúmulo nas nervuras das folhas. Esses fatores podem prejudicar a produtividade e acarretar uma perda de até 50%.

Para controlar a doença os métodos utilizados são: uso de variedades resistentes ou tolerantes e emprego de mudas sadias.

Mancha de Curvulária (Curvularia inaequalis)

Plantas de cana-de-açúcar infectadas com Mancha de Curvulária (Créditos: Centro de Tecnologia Canavieira (CPT))
Plantas de cana-de-açúcar infectadas com Mancha de Curvulária (Créditos: Centro de Tecnologia Canavieira (CPT))

A mancha de curvulária, descoberta em 2010, é causada pelo fungo Curvularia inaequalis. Essa doença pode causar a morte das plântulas em produção de Muda Pré Bola (MPB) e sintomas severos em plantas do campo, como manchas nas bainhas e o secamento foliar.

Como resultado, os sintomas podem progredir e provocar necrose nos colmos, que ficam com uma depressão, decorrente da massa de esporos do fungo.

Nesse sentido, o método de controle recomendado é a utilização de variedades resistentes.

Mancha Parda (Cercospora longipes)

Sintomas causados pela mancha parda. Manchas distribuídas pela folha da cana-de-açúcar. (Créditos: Mateus Reis e Émerson Silva, IFMT- Campus Parecis)
Sintomas causados pela mancha parda. Manchas distribuídas pela folha da cana-de-açúcar. (Créditos: Mateus Reis e Émerson Silva, IFMT- Campus Parecis)

A mancha parda é uma doença da cana-de-açúcar caracterizada pela presença de manchas no limbo foliar. Provocada por um fungo, inicialmente apresenta manchas com coloração vermelho-escuro distribuídas pela folha, delimitadas pelo halo amarelo.

Assim, com o avanço da doença, essas manchas se alongam e o halo desaparece. Em geral, a transmissão dos esporos do fungo acontece por meio do vento e da água da chuva.

Para controlar a doença, a recomendação é utilizar variedades resistentes ou tolerantes.

Mancha Anelar (Leptosphaeria sacchari)

Folha de cana-de-açúcar infectada pelo fungo Cercospora longipes (Créditos: Embrapa)
Folha de cana-de-açúcar infectada pelo fungo Cercospora longipes (Créditos: Embrapa)

Caracterizada por manchas de tamanhos variáveis no limbo foliar, a mancha anelar é provocada por um fungo e ocorre principalmente em folhas velhas. É possível identificar a doença pela presença de manchas com contorno preto e interior branco.

Assim como a grande parte das doenças causadas por fungos, a infecção se espalha pelo canavial devido aos esporos, que são carregados pelo vento e água. O método de controle adotado é a utilização de variedades resistentes ou tolerantes.

Podridão Vermelha (Colletotricum falcatum)

Primeiros sinais de podridão vermelha na cana-de-açúcar (Créditos: Adriano Andreoti | IFMT)
Primeiros sinais de podridão vermelha na cana-de-açúcar (Créditos: Adriano Andreoti | IFMT)

A podridão vermelha é causada pelo fungo Colletotricum falcatum. Essa doença tem como característica o surgimento de lesões avermelhadas na nervura central da folha e mancha vermelhas no interior do colmo.

Em resumo, os fungos se aproveitam de orifícios presentes no colmo para colonizar o seu interior. Esses orifícios, em muitos casos, são resultantes do ataque de pragas que danificam a cana-de-açúcar e abrem portas para a entrada do fungo.

Vale destacar que a disseminação do fungo geralmente ocorre por meio do vento e da água. Outros fatores que favorecem a proliferação são a colheita mecanizada e o aumento da palha no solo, que podem causar o aumento do inóculo.

Os principais métodos de controle da podridão vermelha são o uso de variedades resistentes ou tolerantes e o controle de pragas, principalmente, a broca de cana-de-açúcar.

Pokka Boeng (Fusarium moniliforme)

Folhas afetadas pela Pokka Boeng, com sintomas característicos da doença. (Créditos: CTC)

Por fim, a Pokka Boeng também é uma doença causada por fungos. Seus principais sintomas são:

  • Nas folhas: clorose na base das folhas jovens com estrias marrom-avermelhada e deformações no limbo foliar, que pode ficar subdesenvolvido, encurvado ou enrolado;
  • No palmito: danos na região meristemática, acarretando na presença de gomos tortos e deformados, que pode gerar a morte do meristema apical em variedades suscetíveis.

Como em outras doenças fúngicas, a proliferação de esporos ocorre pelo vento e pela água da chuva. A principal maneira de controlar a doença é a partir do uso de variedades resistentes.

Conclusão

Neste artigo, aprendemos que geralmente, são bactérias e fungos que causam as doenças da cana-de-açúcar.

Como forma de controle, os principais métodos são o uso de variedades resistentes ou tolerantes, aplicação de fungicidas, desinfecção de instrumentos de corte e emprego de mudas sadias.

No entanto, como as doenças da cana-de-açúcar podem danificar a estrutura da planta como um todo, é sempre importante adotar um monitoramento constante da lavoura a fim de evitar danos e prejuízos na produtividade.

Gostou desse conteúdo? Então, aproveite e leia nosso artigo Usina de cana-de-açúcar: a importância de uma aplicação de agrotóxicos segura para a produção.

Até a próxima!

Blog-Banner-AgriQ-Receituário-Agronômico-Consulta-Fitossanitária

Post Tags :

Rafaella Aires

Formada em Jornalismo, pós-graduada em Marketing e especialista em Comunicação Digital, atuo como Analista de Conteúdo no AgriQ Receituário Agronômico.

1 Comentário

  • David Miranda das Neves
    14/03/2023

    Assunto de etrema importancia, ue causam prejuízos, mas que as são negligenciados, as doenças das planta!
    Parabéns pelo matéria!

    Reply

Deixe um comentário